No rural tem inovação social é tema de tese a ser defendida por pesquisador do NISP

No próximo dia 10 de junho de 2021, a partir das 14h, o doutorando Anderson Luís, do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), da Esag/Udesc, defenderá a sua tese com o título: “No rural tem inovação social! um estudo em dois assentamentos rurais na zona fronteiriça Brasil-Bolívia”.

Anderson Luís é pesquisador do Núcleo de Inovações Sociais na Esfera Pública (NISP) e professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ingressou no doutorado, na linha de pesquisa “Administração Pública e Sociedade”, em 2017, tendo como orientadora a professora Dra Carolina Andion, coordenadora do NISP e do Observatório de Inovação Social de Florianópolis (OBISF).

Será realizada, em função da pandemia, a defesa virtual da tese, que contará com a participação das(os) seguintes professoras(es) na banca de avaliação, além da professora orientadora: Dra Graziela Dias Alperstedt, Dra Simone Ghisi Feuerschütte e Dra Clerilei Aparecida Bier (membros internos), todas fazem parte do PPGA/ESAG/UDESC; o Dr. Ademir Antonio Cazella, do Programa de Agroecossistemas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); e o Dr. Edgar Aparecido da Costa, do Programa em Estudos Fronteiriços da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Fonte: Design por Júlia Rocha, 2021.

A Tese

No Brasil, país que se coloca como celeiro do mundo, convivem diferentes lógicas e modos de praticar o desenvolvimento rural. No Pantanal sul-mato-grossense, região de expansão agrícola na qual foi realizada o estudo dessa tese, o processo de modernização agrícola tem prosperado e transformado a realidade da população rural e do meio ambiente, deixando para trás uma dívida socioambiental acumulada. Assim, essa tese busca compreender como ocorre a inovação social a partir das experiências dos agricultores familiares dos assentamentos rurais Taquaral e 72, localizados em Corumbá e Ladário, zona fronteiriça Brasil-Bolívia, na perspectiva da territorialidade e da sustentabilidade. Os principais resultados mostram que a inovação social não ocorre no mesmo formato que discute a literatura mainstream do campo. Já o agronegócio não é tão “pop” assim, tendo em vista a reprodução de relações sociais clientelistas, paternalistas e autoritárias e os custos socioambientais gerados para a região ao longo do tempo; questionando assim, o próprio futuro da Reforma Agrária no Brasil. Por fim, as inovações sociais empreendidas contribuem não apenas com as famílias assentadas, atingem também a paisagem humana e natural da região e do planeta, considerando a importância do Pantanal para a humanidade.

Para participar da defesa virtual basta acessar o link: https://forms.gle/WDJisU5FKkraEQQYA e preencher o formulário com as informações solicitadas. O link da sala da defesa virtual será encaminhado via e-mail para os inscritos. Você é nosso convidado para participar desse momento especial da defesa pública da tese.

Por Hudson Oliveira, redator de Comunicação do OBISF / NISP / ESAG / UDESC
Revisão por Anderson Luís
Design por Júlia Rocha, bolsista do NISP / ESAG / UDESC

Deixe uma resposta