3º Conexão Articula Floripa tem participação do NISP e debate os impactos emocionais para crianças, adolescentes e jovens em tempos de pandemia

No último dia 17 de junho de 2020, das 18h30min às 20h30min, ocorreu mais uma edição da Conexão Articula Floripa, por meio da plataforma zoom, com o tema “Impactos emocionais para crianças, adolescentes e jovens em tempos de pandemia”.

Assim como nos eventos anteriores, o Núcleo de Inovação Social na Esfera Pública (NISP), por meio do Observatório de Inovação Social de Florianópolis (OBISF), participou da correalização, juntamente com o Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM) e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

O debate, por meio de um diálogo, contou com a mediação de Luciana Prazeres, médica pediatra e conselheira titular do CMDCA, representante da Secretaria Municipal da Saúde. Como debatedores, participaram a Adriana Satie Funaki, psicóloga do Núcleo Ampliado de Saúde da Família da Prefeitura Municipal de Florianópolis (NASF/PMF) – Distrito Norte, o Doutor em Saúde Coletiva Deidvid de Abreu, assistente social do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (HU/UFSC), e a Fernanda Costa Nicolazzi, psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial para Crianças e Adolescentes de Florianópolis (Rede SUS).

O evento contou com aproximadamente 60 participantes e após a abertura, realizada pela Luciana Prazeres, cada debatedor fez a sua fala com foco na atuação frente à pandemia e, posteriormente, respondeu algumas perguntas apresentadas pelos participantes do encontro virtual.

De maneira convergente, os debatedores apontaram elementos que devem ser considerados nesse período de pandemia, de forma a contribuir para a saúde emocional das crianças, dos adolescentes e dos jovens como, por exemplo, a importância do apoio familiar neste processo, especialmente porque as atividades de saúde estão suspensas nesse período.

Nesse sentido, a Adriana Funaki, destacou que “atividades promotoras de saúde foram suspensas, a casa passou a ser cenário de uma sobreposição de tarefas e com isso as relações se intensificaram. O excesso de presença e convívio, juntamente com as preocupações sobre o futuro, tornaram-se fortes desencadeadores de estresse nas famílias. Penso que crianças e adolescentes, com os recursos que possuem, expressam à sua maneira o impacto da pandemia em suas emoções”.

Os debatedores pontuaram a importância de se discutir temas relacionados à saúde emocional desse público, inclusive com foco no atendimento aos direitos das crianças e dos adolescentes e considerando o atual momento de pandemia.

“Acredito ser importante a discussão desses temas, pois estamos em meio a um contexto de incertezas e impasses, ao considerar que essa descontinuidade na rotina da vida atingiu a todos nós”, afirmou Funaki.

Para Fernanda Nicolazzi “conversar sobre os impactos emocionais nas crianças e nos adolescentes, nesse período de pandemia, é de fundamental importância para que chamemos a atenção do poder público para que se priorizem ações para atender e cuidar dessa população já que eles são os adultos do futuro e vão construir essa cidade, esse país”.

Deidvid de Abreu destaca a importância do evento de forma a dar visibilidade ao tema e também no sentido de fortalecer rede de proteção. “Esses debates são importantes de forma a trazer o tema para um lugar de destaque, promovendo trocas e diálogos que possam contribuir para fortalecer a rede de proteção desse público”, enfatizou Abreu.

Deixe uma resposta